Controlar a pandemia mantendo a Economia a funcionar

A Madeira só vai levantar restrições quando for seguro fazê-lo, garante o presidente do Governo Regional. Que reitera que o objetivo é controlar a pandemia, mantendo a Economia a funcionar.

Miguel Albuquerque diz que as restrições em vigor devido à pandemia serão levantadas de forma gradual, conforme a evolução da doença o permitir. Até 21 de fevereiro tudo vai permanecer tal como já foi divulgado e depois dessa data tudo vai depender dos dados que a Autoridade de Saúde disponibilizar.

O presidente do Governo Regional falava à margem da visita que fez, nesta manhã de quarta-feira, a uma empresa no Funchal. Oportunidade para sublinhar que a Região tem uma situação diferente, porque no Continente assiste-se a um encerramento quase total da atividade económica. Um confinamento que, lembrou e segundo declarações do próprio primeiro-ministro, será para continuar até 19 de março.

«As nossas medidas permitem que a economia continue a funcionar, que as pessoas não fiquem fechadas em casa e que os alunos tenham acesso à sua Educação, quer com aulas presenciais, quer com aulas digitais», enfatizou. Até porque, na Madeira, «já tínhamos comprado todos os computadores, ao contrário do que aconteceu no Continente».

Desta forma, o objetivo do Governo Regional «é manter uma situação de controlo da pandemia, mantendo paralelamente a economia a funcionar».

Neste sentido, anunciou que as alterações ao que está decidido serão graduais, «levantando-se as restrições aos poucos e poucos, se a evolução da doença assim o permitir».

Recordando que na Região se está a fazer «uma testagem alargada e progressiva, quer no sector público quer no sector privado», Miguel Albuquerque acrescentou: «O importante é não nos enganarmos a nós próprios. Não vamos dizer que estamos a reduzir os casos para 50 sem fazer testagem. Para depois termos surtos…. Não! A nossa testagem é transparente. Estamos a fazer uma testagem geral. E consoante essa testagem estamos a tentar e a conseguir conter a pandemia».

Miguel Albuquerque acrescentou ainda que só haverá mudança de política para as escolas quando se achar seguro alterá-la e lembra que as escolas têm feito trabalho notável no controlo da pandemia. «Se as crianças estivessem em casa seria mais difícil termos esse controlo», diz.

«Só vamos abrir isto quando tivermos a certeza que podemos abrir. Consoante os dados da Saúde Pública, vamos decidindo», concluiu.

Fonte: madeira.gov.pt

Partilhar

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email