Estruturas para testes no Aeroporto começam a ser instaladas hoje

O presidente do Governo Regional anunciou a instalação, hoje, de estruturas no Aeroporto para a realização dos testes à COVID. Um passo na retoma do Turismo, que terá de ser gradual. A prioridade, frisou, continua a ser a mesma: a salvaguarda da população da Madeira e do Porto Santo.

Miguel Albuquerque reiterou hoje, de manhã, durante uma visita a Casa do Povo de Santo António, a prioridade do Governo Regional: a salvaguarda da vida dos madeirenses e dos porto-santenses. Neste sentido, sublinhou que a retoma do turismo é fundamental, mas terá de ser gradual.

O presidente do Governo Regional anunciou ainda que no dia de hoje começarão a ser montadas as estruturas no Aeroporto que permitirão a realização dos testes naquela infraestrutura. Garante que tudo estará pronto no dia 1 de julho. E que também nessa altura já estará celebrado o protocolo com um instituto público, em Lisboa, que permita lá a realização dos testes à COVID, para quem assim o queira e que viaje para a Região.

O governante foi confrontado com o surgimento, ontem, de um novo caso, após 42 dias sem surgirem doentes infetados, na Região. Miguel Albuquerque lembra que o mesmo teve origem em Lisboa e que foi detetado logo após a sua chegada à Região. «Isso significa que, ao contrário do que andam a apregoar lá, a situação da pandemia não está controlada a nível do Continente, sobretudo na região de Lisboa». «Mesmo na China está-se a falar de uma nova vaga», enfatizou.

Neste sentido, fez questão de clarificar aos madeirenses e aos porto-santenses que é necessário conciliar a economia e a Saúde Pública. Mas, deixou bem claro, «o que é prioritário para o Governo Regional é a Saúde da população da Madeira e do Porto Santo». «Esse é o valor supremo que temos a obrigação de preservar», acrescentou

Segundo Miguel Albuquerque, este pressuposto significa que «a retoma de uma atividade fundamental para a nossa economia, como é a do Turismo, terá de gradual e de ser suportada com investimento em testes e que só poderão entrar na Região Autónoma da Madeira quem tiver teste negativo num prazo máximo de 72 horas».

«Com as dificuldades que estão a atravessar, surgiram alguns agentes turísticos a defender a abertura total do Aeroporto. Seria um suicídio. Porque nós perderíamos não só os potenciais focos pandémicos como a monitorização das pessoas que entrariam na Madeira», esclareceu.

O presidente do Governo Regional entende que «a única solução que a Região para essa retoma, que terá de ser gradual, é a segurança: os testes, a medição da temperatura à chegada e ainda a aplicação de monitorização, que será facultativa».

Fonte: madeira.gov.pt

Partilhar

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email