Madeira está cada vez mais bem preparada na Saúde

Miguel Albuquerque destacou a entrada em funcionamento, hoje, de uma unidade especial, junto às Urgências, que permitirá acompanhamento especial aos doentes, enquanto aguarda os resultados dos testes à COVID.

Miguel Albuquerque enalteceu a entrada em funções de uma unidade de apoio ao serviço das Urgências do Hospital Dr. Nélio Mendonça, que vai acolher os doentes que estejam a aguardar o teste à COVID e que precisem de nível de cuidados mais diferenciados antes de terem acesso aos serviços hospitalares propriamente ditos. O governante refere que os doentes e os profissionais de Saúde ficarão agora ainda mais protegidos.

O presidente do Governo Regional visitou na manhã desta sexta-feira aquela unidade, disponibilizada após a conclusão de obra de ampliação das Urgências.

«Esta Unidade que estamos a abrir hoje é uma unidade especial que está ligada às Urgências e que corresponde a um investimento do Governo na ordem do 1,8 milhões de euros, para termos a possibilidade, no âmbito da intervenção pré-hospitalar, de receber os doentes que ainda estão em fase de avaliação, de rastreio, antes de serem tratados no Hospital», explicou.

O governante recordou que a nova unidade permitirá que os utentes aguardem, «com todo o conforto», lá enquanto esperam pelos resultados dos testes, antes de entrarem para a unidade hospitalar. Se tiverem positivo serão encaminhados para a Unidade COVID.

O líder madeirense acentuou ainda que «a Madeira está muito mais bem preparada e vamos continuar a trabalhar para que o nosso sistema de Saúde continue a trabalhar durante esta crise pandémica, com capacidade de resposta e sobretudo com capacidade de atuar sem risco, ou melhor com o menor risco possível».

«O pior que poderia acontecer seria termos aqui focos de infeção. Estas regras de diferenciação do tratamento e da própria associação das unidades são fundamentais», concluiu.

A empreitada permitiu a instalação uma nova área, a dos Cuidados Especiais da Urgência, com capacidade para 14 camas.

Estas camas servirão de internamento para doentes a aguardar o teste SARS-CoV-2 e que precisam de nível de cuidados mais diferenciados com monitorização e terapêutica não invasiva e invasiva.

De referir que destas 14, quatro camas terão capacidade de resposta para doentes críticos (falência de um ou mais órgãos) podendo se expandir para a totalidade das camas, permitindo, desta forma, reforçar a capacidade do SESARAM. Esta área possui, ainda, três pontos de hemodiálise convencional, uma das técnicas para a insuficiência renal.

Fonte: madeira.gov.pt

Partilhar

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email