‘Open day’ em Agosto no Porto Santo para quem estiver de férias

DN MADEIRA 28/07/2021

“O processo de vacinação é um processo dinâmico” diz Pedro Ramos, em reacção ao facto de a Madeira ser a região do País com a pior taxa de vacinação completa, conforme avançou o DIÁRIO na sua edição impressa de hoje.

O secretário regional da Saúde e Protecção Civil lembrou que nas últimas semanas a Região “tem estado sempre no pódio, tem estado sempre em terceiro lugar, não só na vacinação completa, mas também na vacinação com a primeira dose”.

De acordo com o relatório nacional da vacinação contra a covid-19, a Madeira está em último lugar na vacinação completa, com 50% da população com o processo de imunização completo. Quanto a primeiras doses, a Região apresenta um alcance de 66% da população, ocupando assim o antepenúltimo lugar, antes de Lisboa e Vale do Tejo (65%) e dos Açores (61%).

Mas o secretário regional da Saúde não se mostra pessimista e acredita que nas próximas duas semanas a situação deverá inverter-se, atribuindo alguma ‘culpa’ ao facto de este ser um período de férias e os madeirenses não abdicarem do descanso para serem vacinados. Para a melhoria dos números muito deverá contribuir a vacinação dos jovens entre os 12 e os 16 anos de idade.

As dificuldades nos contactos estendem-se, também, às segundas doses, sobretudo após a alteração do hiato temporal entre a primeira e a segunda dose das vacinas da AstraZeneca e da Pfizer, sendo difícil convocar as pessoas que estão de férias para a antecipação da segunda vacina.

“A Madeira, por ser uma região de turismo, onde se passam férias fora da Região, nomeadamente na Ilha do Porto Santo, nós, neste momento, estamos a ter alguma dificuldade nos contactos e, por isso, a razão dos ‘open days’ que foram criados”, referiu Pedro Ramos, anunciando, por isso, a realização de um ‘open day’ na Ilha Dourada durante o mês de Agosto.

Segundo o governante, o objectivo passa por “tentar compreender e tentar articular [a vacinação] com a vida das pessoas, com a vida das férias, com a vida do trabalho, cm a vida social, com a vida profissional, paraque haja sempre um equilíbrio entre ser vacinado, sem colidir com aquilo que é a actividade do dia-a-dia” das pessoas.

Agradecendo a dedicação dos 300 profissionais empenhados na vacinação na Madeira, o secretário regional  salientou que existem vacinas, mas colocou o ónus do lado da população, pois “o controlo da pandemia depende do cidadão”.

Notícia completa aqui.

Partilhar

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email