Primeiro balanço das candidaturas de Apoio à Linha de Emergência no sector da Cultura

Terminou a 30 de abril, a entregas de candidaturas à Linha de Apoio de Emergência ao Sector das Artes e Cultura, uma decisão tomada em Conselho de Governo a 3 de abril.
Esta linha excecional e temporária, destinada às entidades culturais sem fins lucrativos e artistas com sede na Região Autónoma da Madeira, integra o quadro de medidas excecionais e temporais , relativas à situação epidemiológica do novo coronavírus – COVID 19, e foi especificamente direcionada para as entidades culturais e artísticas da Região, que se viram privadas de rendimento e incorreram em despesas não reembolsáveis em virtude da suspensão da sua atividade.
A Secretaria Regional de Turismo e Cultura lidera este processo , cujo montante máximo estabelecido é de 200 mil euros.
O entrega das candidaturas terminou à meia noite de sexta-feira e foram recebidas 26, das quais 3 não elegíveis (2 são sociedades comerciais e uma não tem caráter cultural).

Das 23 candidaturas elegíveis, cinco são individuais, duas de teatro e três de músicos e que por não terem realizado os seus espectáculos e concertos programados, encontram-se dentro do processo da linha apoio.

As restantes candidaturas são de associações colectivas, entre as quais, 7 bandas filarmónicas, 1 grupo folclórico, 5 de grupos de teatro, 1 grupo de dança e 4 grupos musicais.
Com exceção de 3 grupos que pediram apoio, sem referir o valor pretendido, o somatório dos valores atingidos até ao momento, é de 165 mil euros, para despesas com concertos/ espectáculos não realizados, bem como para despesas correntes,

Para o Secretário Regional de Turismo e Cultura, o sistema de apoio criado pelo Governo Regional pretende, de uma forma excecional e temporária, dar o apoio a um sector extraordinariamente importante, onde, muitos dos seus agentes vivem, sobretudo, de eventos que ficam impedidos de concretizar. “Esta é uma situação de exceção que atinge pessoas, associações culturais e etnográficas que enriquecem a nossa oferta cultural, e que muito nos ajudam na afirmação daquilo que somos e na promoção e divulgação da Madeira além fronteiras”. Eduardo Jesus, salientou que o Governo Regional “em boa hora, decidiu criar esta linha de apoio, que vai permitir, a continuidade destes grupos, no seio da comunidade, e minimizar as enormes dificuldades que atravessam, numa altura em que se encontram sem fonte de rendimento. Preservar as nossas associações de caráter cultural é um imperativo e o Governo está atento e pronto a corresponder.”

Fonte: madeira.gov.pt

Partilhar

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email